Buscar: Em:
TESTE ESPECIAL - Yamaha YZ 450F 2014!
 

  Um novo visual para a 450F
Ayako Sports  
23/09/2013

 


Parece que a Yamaha não quer parar de inovar, e seus opositores se descabelam quando ela apresenta seus novos modelos revolucionários. Acredito que ninguém poderia esperar que sua linha de motocross poderia ser tão inovadora, tão moderna, depois do motor invertido em 2010, com um tanque de combustível cuja tampa está abaixo do banco e um sistema de escapamento que contorna todo o motor. Somente quando apresentamos na edição 212, a motocicleta utilizada no campeonato japonês com o mesmo visual deste modelo, é que entendemos o que poderíamos esperar da nova 450F, mas tenho que ser sincero, não esperava esse design para a 250F, e foi exatamente isso que aconteceu. E com total exclusividade, apresentamos o primeiro teste desta moto.


Este novo modelo da 450cc traz uma aparência completamente nova, provando que os engenheiros da fábrica começaram seus trabalhos a partir do zero, mantendo somente o revolucionário motor invertido, com algumas mudanças também.


Inegavelmente a Yamaha liderou o movimento moderno do motocross, quando apresentou sua YZ 400F em 1998, e continuado em 2001 com a YZ 250F, e de lá pra cá, o esporte nunca mais foi o mesmo. Mas ela decidiu não parar, e nove anos depois apresentou o motor invertido, com um novo posicionamento da caixa do filtro de ar, instalado abaixo do tanque. Deu para perceber que a Yamaha não é uma empresa que se conforma, que aceita o que existe, o tradicional, que segue tendência, ao contrário, ela cria tendência.


Então o que ela realmente oferece? Abordamos as novidades no Catálogo de Moto 2014, publicado nesta edição, mas não custa relembrar, então basicamente uma nova motocicleta, com um novo chassi, que busca maior maneabilidade, e sensibilidade de ser mais estreito, com a caixa de direçnao 10mm mais próxima do piloto, sendo que o novo subframe foi redesenhado e é angulado, oferecendo maior espaço para a curva do escapamento.


Vale lembrar que esse novo chassi, associado ao motor refinado e ao novo tanque de combustível, com maior capacidade (7,5l) traz centralização de massa que podemos dizer incomparável e que alguns jornalistas internacionais arriscam em dizer que é a próxima geração das motos de cross. A caixa de filtro de ar foi colocado totalmente à frente na motocicleta, do tanque, quando anteriormente ficava abaixo dele. Isso oferece maior refrigeração e facilita a manutenção do filtro de ar, maior que o anterior.


O sistema de escapamento agora apresenta curva que contorna o motor, mas isso já era oferecido pelo fabricante americano D.R.D, mesmo assim esta novidade permite que o silencioso fique posicionado 186 milímetros mais para a frente.


Os suportes do guidão oferecem quatro posições de regulagem


O motor teve o sistema de injeção ajustável com um corpo de borboleta de 44mm alimentado por uma bateria de menor pressão da bomba de combustível. Revisão do mecanismo das válvulas e tudo para contribuir nas respostas a partir da terceira marcha.


Mas infelizmente (ou felizmente) ela não veio com a suspensão ar, nem com a SFF, com garfo com óleo e outro com mola, como a Kawasaki KX 250F e as Suzukis possuem. Ela continua com o sistema tradicional, garfos com óleo e mola em cada um, mas com o sistema Kayaba SSS, que oferece mais sensibilidade .


Você deve estar se perguntando se tanta mudança, se essa revolução trouxe melhoras, e para isso contamos com as impressões do piloto de teste que começa afirmando que gostou muito do posicionamento, ela parece mais estreita e que provavelmente o novo tanque e chassi contribui pra isso, e isso favorece na pilotagem, tanto nas curvas como nos saltos, sendo que nas curvas e em virtude da frente ser leve, dá a impressão de certa dificuldade na entrada, mas depois ela flui muito bem. 


Ele coplementa que o modelo anterior prejudicava um pouco a pilotagem, alegando que era difícil mantê-la na linha e isso mudou bastante no novo modelo, comentou ele. Completa afirmando que a centralização de massa é impressionante, que apesar de outras fábricas tentaram chegar a isso e aparentemente a Yamaha conseguiu. A suspensão é eficiente, mas acredita que seja necessário fazer mais alguns refinamentos e acertos.


O motor melhorou comparado com o modelo anterior, não existe mais o flat em alta, tornando a entrega de potência mais progressiva e com respostas mais rápidas. 


Podemos considerar que todas as mudanças foram significativas, que elas conseguiram realmente concentrar a massa e isto tra um ganho importante na dirigibilidade da motocicleta, tornando mais fácil de pilotar, situação que alguns pilotos reclamavam do modelo anterior. O motor está melhor, forte e progressivo e o posicionamento é bom, claro que tudo pelas mudanças desse modelo, colocando o tanque atrás da caixa do filtro de ar e o sistema de escapamento com a curva contornando o motor.


Mas como já comentamos na edição anterior, essa geração de motocicletas é o futuro? Sua tendência será acompanhada? Já passamos por isso quando ela apresentou a YZ 400F em 1998, ninguém (ou pelos a maioria) não apostou no futuro do motor quatro tempos, mas com o tempo descobrimos que estávamos errados. E agora? A Yamaha volta a ditar o futuro das motocicletas de cross? É difícil prever, pois contrário ao motor quatro tempos, em que as regras ambientais contribuiram para essa mudança, com essa nova geração de motocicletas, nada obriga a seguir esse caminho, como vimos com a KTM, que apostou na 350 cilindradas, e até agora ninguém acompanhou essa idéia. Independente disso, a Yamaha revoluciona e apresenta dois modelos diferentes, de apelos específicos e totalmente fora dos padrões, e só por isso se destaca, afinal de contas, muita gente gosta de inovações, de coisa diferente e podemos dizer que as novas YZF são realmente diferentes dos  opositores, alguém contesta?




FICHA TÉCNICA


Motor Monocilíndrico, 4 Tempos, DOHC, 4 válvulas, refrigeraçnao líquida


Cilindrada 449,7cc


Transmissão 5 velocidades


Alimentação Injeção eletrônica Keihin 44mm


Suspensão dianteira Kayaba invertida SSS


Suspensão traseira Kayaba monoamortecedor


Freio dianteiro Disco simples, 250mm


Freio traseiro Disco simples, 245mm


Tanque de combustível 7,5 l


Peso total 111,13 kg




 

Fotos
Uma motocicleta mais ágil e rápida  
Ayako Sports  
Um novo sistema de escapamento  
Ayako Sports  
A caixa do filtro de ar à frente do tanque  
Ayako Sports  

Deixe seu comentário sobre a notícia

Seu nome/apelido:
Seu comentário:
Digite o que você vê na imagem abaixo: *
   

 
Revista Bike Action
Revista Moto Action